Conheça as quatro áreas trabalhadas no Conceito SIN para tratamento de dores crônicas

O fisioterapeuta do Vitta, já especialista em tratamento de dores crônicas, Bruno Dreher Bosner, é o primeiro fisioterapeuta gaúcho a realizar a formação no Conceito SIN – Saúde Integrativa, em Brasília. O conceito, idealizado pelo fisioterapeuta Leonardo Machado, é uma metodologia que busca identificar a atual condição clínica do paciente através de avaliação própria e aprofundada, identificando potenciais físicos e clínicos das dores e eliminando hábitos prejudiciais à saúde do paciente.

Dentro do conceito, existem quatro pilares da saúde: estilo de vida, que engloba questões de sono, se o paciente fuma ou não, se é sedentário, entre outros; equilíbrio emocional, que identifica se a pessoa está ansiosa, deprimida, estressada; alimentação, visando reconhecer se a pessoa consome alimentos com potencial inflamatório, geradores de pressões ao nível abdominal, que alteram o posicionamento corporal, causando dores; e, por fim, o pilar de liberdade de movimento. Conhece como são trabalhados cada um deles:

Estilo de vida

No caso do estilo de vida, são englobadas questões como sono, se o paciente fuma ou não, se é sedentário, entre outros. Você sabe o quanto uma noite “mal dormida” pode influenciar negativamente sua vida? E não são apenas as poucas horas de sono que podem influenciar em seu bem-estar, mas sim de todo o contexto envolvido como iluminação, travesseiros, colchão, hábito do horário para acordar, entre outros.

Já percebeu o quanto o sedentarismo está ligado a maus hábitos alimentares? E o quanto ele pode estar ligado com suas dores? Um corpo desidratado, por exemplo, tem relação muitas vezes direta com suas dores e tensões musculares. Nessa área, o profissional analisa hábitos globais de vida, que podem estar causando as dores crônicas.

Equilíbrio Emocional

No equilíbrio emocional, sofremos influência a todo momento de emoções positivas e negativas como alegria, amor, carinho, ansiedade, estresse, raiva…

Como emoções são momentâneas, podemos “somatizar” (manifestar corporalmente algo advindo da mente) determinados eventos, como por exemplo, aquela insônia gerada pela ansiedade de um grande evento do dia seguinte.

Se perpetuamos determinadas emoções, incorporamos muitas vezes isso em nossa personalidade e podemos manifestar isso através de nosso corpo, como alguém triste que anda de cabeça baixa, ou um tímido que tem os ombros enrolados para frente. Como na Fisioterapia trabalhamos diretamente com a sensação de dor dos pacientes, sabemos hoje o quanto ela pode ser agravada ou se tornar crônica por sentimentos ou crenças negativas.

Através de uma análise minuciosa, identificamos possíveis emoções/sentimentos danosos ao tratamento e buscamos uma melhor percepção do paciente para tal fato, já que muitas vezes essas emoções estão impedindo a evolução e sucesso do tratamento.

Alimentação

No caso da alimentação, você sabia que uma dor lombar crônica pode ter uma forte influência alimentar? Se ingerirmos alimentos com teores altamente pressóricos, como feijão, excesso de legumes cozidos, entre outros, podemos ter uma modificação natural e fisiológica de nosso centro de gravidade, projetando nosso corpo posteriormente e “forçando” as estruturas posteriores, gerando uma dor lombar. Ou quando o paciente que possui intolerância a determinado alimento continua a consumi-lo e relata que sempre se sente “estufado” após a ingestão, gerando tensão. Novamente, estamos falando das mesmas (possíveis) más adaptações corporais. Na consulta, conseguimos identificar esse e outros tantos possíveis fatores relacionados às dores do paciente.

O fisioterapeuta realiza uma avaliação precisa e completa para saber qual influência está atuando naquele caso. É muito importante salientar que de forma alguma há prescrição de qualquer receita, dieta ou fórmula. Quando é identificado que o paciente deve reformular sua alimentação, ele é imediatamente encaminhado ao médico/nutricionista.

Liberdade de Movimento

No caso da liberdade de movimento, pode envolver uma dor cervical crônica, que é muito comum. Os conhecidos “ombros tensos” ou “pescoço duro”… Mas será que as reais causas foram identificadas?! Infelizmente muitas pessoas pensam que como têm essa dor há muito tempo, ela não tem mais cura. Mas o Conceito SIN vem para mostrar que na verdade a cura possivelmente existe!

A grande questão é que muitas vezes os pacientes procuram profissionais que observam apenas sua área de atuação e deixam de informar que muitas vezes o tratamento é multifatorial e necessita um olhar de profissionais de áreas diferentes.

Essas modificações corporais podem estar ligadas a outras questões fisiológicas como a própria gestação por exemplo. Por exemplo, é comprovado cientificamente que o corpo da mulher sobre diversas adaptações nesse período e, quando um corpo não está livre de tensões corporais, essas mudanças ocasionam dores em diversos locais. Em relação à região lombar, por exemplo, há um aumento do volume abdominal, gerado pelo desenvolvimento do bebê, que sobrecarrega as estruturas posteriores lombares, gerando assim dores subseqüentes. Ou a relação da arcada dentária e mordida com essas dores. Maus posicionamentos corporais em níveis abdominais e da coluna lombar podem ter relação direta também com essas queixas.  Você sabia disso?

O Fisioterapeuta age no entendimento dessas compensações corporais e trata as possíveis causas articulares/musculares/faciais e ligamentares dessas adaptações.

É importante lembrar que o objetivo não é invadir outras áreas da saúde, mas identificar os fatores que não estão no plano físico de trabalho no tratamento das dores e que vão além dos alongamentos e reforços físicos. Após feita a identificação dessas variáveis, os pacientes são encaminhados para os profissionais responsáveis por cada área.

Deixe seu comentário